Taking too long? Close loading screen.
55 (41) 3342-0310 | 55 (41) 99722-6504 Av. Batel, 1550 • Sala 814 - Curitiba • PR Rua Maestro Cardim, 592 • Sala 1001 - São Paulo • SP Seg à Sex • das 9h às 18h

Você sabe o que é um AVC?

Acidente Vascular Cerebral (AVC), também conhecido como derrame, acontece quando há a interrupção do fluxo sanguíneo para determinada região do cérebro. Isso provoca uma reação em cadeia: as células cerebrais morrem depois de um tempo sem receber oxigênio e nutrientes, a região afetada para de funcionar, a função do corpo ligada à área do cérebro afetada apresenta danos, a pessoa pode ter sequelas ou mesmo vir a óbito.

Este quadro é gravíssimo e requer atenção imediata.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), AVC é a segunda principal causa de morte no mundo — atrás apenas de cardiopatia isquêmica — e leva a óbito cerca de 5 milhões de pessoas a cada ano, das mais de 13 milhões atingidas.

Eis algumas informações importantes sobre os tipos de AVC e fatores de risco: 

– Isquêmico: quando o sangue é interrompido em uma região, mas não ocorre vazamento. Isso acontece devido a um coágulo sanguíneo ou acúmulo de gordura e colesterol (placa) nas veias.

– Hemorrágico: quando há alta pressão nas artérias, de modo que as danifica e provoca o seu rompimento. O sangue vaza para as proximidades e este quadro leva ao aumento da pressão intracraniana.

Qualquer pessoa pode ter um AVC, mas é mais recorrente em indivíduos com idade entre 50 e 60 anos e/ou que apresentem certos fatores de risco, como:

– Pressão alta
– Colesterol alto
– Doenças cardíacas
– Obesidade
– Diabetes
– Sedentarismo
– Fumantes
– Abuso de substâncias como álcool e droga
– Fatores que favoreçam o espessamento do sangue e a formação de coágulos
– Histórico familiar de AVC

Conheça alguns sinais de alerta para um AVC

Os principais sintomas de um AVC estão relacionados à fraqueza em um lado do corpo, fala e raciocínio confuso e sonolência ou desmaio. Mas existem também outros que podem ser manifestados isolados ou em conjunto:

– Dor de cabeça repentina e persistente
– Característica física alterada no rosto, como se estivesse “caído”, torto ou com paralisia
– Paralisia ou dormência em rosto, braço e perna em um lado do corpo
– Desequilíbrio
– Alterações na visão
– Náusea e vômito

Como é feito o diagnóstico de um AVC

Diante dos sintomas acima, é importante procurar ajuda imediatamente. O médico fará um exame físico e poderá pedir exames de imagem, como tomografia, ressonância magnética e ultrassonografia Doppler.

Em muitos casos a tomografia é suficiente para identificar o local do AVC, o tipo e as possíveis lesões ao cérebro.

A partir daí, o médico especialista poderá determinar a indicação do tratamento, seja clínico ou cirúrgico.

Tratamentos para AVC

Apesar de toda a gravidade (salvo em fatores que não se pode controlar, como idade e hereditariedade) é possível adotar medidas que ajudam a prevenir um AVC. Por exemplo, a prática de atividades físicas por pelo menos 30 minutos ao dia, a adoção de uma dieta saudável, controle do peso e acompanhamento médico de rotina.

Os tratamentos após a ocorrência de um AVC podem incluir remédios anticoagulantes, neuroprotetores, terapias intravenosas para reduzir inchaço e pressão no cérebro, entre outras medidas. Há também possibilidades cirúrgicas, para remover coágulos e placas de colesterol, colocação de stents (bobinas de aço) e reparação paredes enfraquecidas de artérias.

A eleição do tratamento vai depender da análise individual do paciente, feita pelo neurocirurgião responsável, que vai levar em conta a gravidade do AVC, o estado de saúde do paciente, entre outros fatores.

Ficou com alguma dúvida? Fale conosco!

Prof. Dr. Luis Borba

Prof. Dr. Luis Borba

CRM – PR-10918
Neurocirurgião

Artigos Relacionados

Osteoporose

Osteoporose

O aumento da sobrevida da população passou de 40 anos em 1940 para 76 anos em 2016, e tem sido acompanhado por um incremento da prevalência de diversas doenças crônicas incluindo a Osteoporose. A osteoporose é caracterizada pelo aumento do risco de fraturas, atinge...

Fatores de Risco para Osteoporose

Fatores de Risco para Osteoporose

Existem alguns fatores que aumentam a possibilidade de um indivíduo ter ostepoporose conhecidos como fatores de risco, estes podem ser modificáveis ou não. Fatores não modificáveis Genética Raça Doenças em tratamento ou não Fatores Modificáveis Nutricionais Ingestão...

Compartilhar
WhatsApp chat